Arquivo de junho de 2009

Ave mecânica sobrevoando a FA7

Postado por auri em 20/jun/2009 1 comentário


Fotografia. 2009.
16:30, saindo da aula de pós-graduação em Desing Gráfico, na FA7, um barulho estrondoso tira minha mente dos pensamentos perdidos. Inevitável procurar a origem da distração. Inevitável pegar a câmera. Inevitável fotografar. Inevitável ficar assim, único.

Posted by Picasa

Café a quatro mãos

Postado por auri em 18/jun/2009 1 comentário


2009. Nina inaugurando meu caderno de desenho.
Tenho uma mania de só querer desenhar nos cadernos sem pauta. Ou transformar montes de folhas sem pauta em cadernos de desenho. Encontrei uns lindos em Sampa. Gastei-os. No domingo passado, no Benfica, encontramos versões capa preta dos mesmos. Foi ótimo! Peguei todos os que a loja oferecia na prateleira. Nina, sempre me incentivando a nunca parar de desenhar, inaugurou o primeiro. Numa cafeteria, comemoramos mais este momento divertido. E desenhamos um café a quatro mãos!

Escada branca

Postado por auri em 15/jun/2009 Comentar

Hidrocor e nanquim sobre papel. Junho/2009

Pra chegar na sala que trabalho, tenho que subir dois lances de escadas. Elas são a única coisa do meu mundo matinal que movimentam meu corpo cansado e ainda dormindo.

Elas parecem cheias de vida, brilham e me trazem conforto no meio de tanta cor e distração.
Adoro a escada branca.

Hidrocor e nanquim sobre papel. Junho/2009

Salsa, pimenta e listras

Postado por auri em 14/jun/2009 4 Comentários


2009. Hydrocor e nanquim sobre papel.
Adoro um domingo pra ficar em casa. Acordar bem tarde, sem compromisso a não ser com o ócio. Meus cadernos sem pauta e minhas canetinhas parecem gritar: estamos aqui! Hoje foi um dos dias em que sentei e desenhei como louca. Danny Gregory deveria ficar orgulhoso desta atitude tão impulsiva e produtiva. Abaixo a procrastinação para o traço e o rabisco! Assim, a toalha da mesa, a salsa, a tigela com sopa e com pimentas estão para sempre eternizadas. E eu feliz, por ter produzido tanto!

Design pra quê?

Postado por auri em 12/jun/2009 Comentar


Pra fazer um robô que nem gente.
O exterminador do futuro não virá dos Estados Unidos, como pensa Sarah Connor, mas do Japão. É o que tem indicado a revolução na inteligência artificial desenvolvida, testada e constantemente evoluída na terra do saquê. Achou que Isaac Asimov era um doidinho exagerado? Então dê uma olhada na imagem ao lado. No dia 15 de Março de 2009, o chamado robô humanóide, foi apresentado à imprensa pelos pesquisadores do governo japonês. O HRP-4C, ou “a”, pode fazer mímica dos movimentos de um humano e até de expressões de sentimentos. Na Cidade de Tsukuba, ficção científica é coisa do dia-a-dia. Foto: YOSHIKAZU TSUNO/AFP/Getty Images, publicada no site da Revista LIFE. Pois é! Eu, Robô! Olha o robô!

Fazendo um som

Postado por auri em 11/jun/2009 Comentar


Papai Vitor. Acrílica sobre papel. 2007
Voltávamos de uma viagem em família. De Sampa para Fortal. Nosso destino mais corriqueiro, em grupo. Aeroporto, espera, espera. Vitor e Iago pegam o violão pra matar o tempo. Ficou este momento na memória. Chegando em casa, ele virou um estudo de várias posições de tocar. A favorita, porém, é a que sua filha, Sofia, nomeou aos brados de Papai Vitor.